*Marlene Calumby concede entrevista e fala sobre transparência, educação de qualidade, saúde e prioridade na segurança pública*

lumbiNo sábado, 13, a professora Marlene Calumby, concedeu entrevista a Rádio Jornal, 91.5, no programa do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Aracaju - Sepuma. Na oportunidade, Marlene traçou um rápido histórico de seu currículo e logo em seguida, respondeu as perguntas dos entrevistadores, Nivaldo Fernando e Wilson Tavares. Ela falou sobre seus projetos e sua plataforma como candidata a deputada Federal pelo Patriota 51. A professora além de educadora é advogada é imortal da Academia Sergipana de Letras.

Após relembrar algumas passagens profissionais, Marlene Calumby falou da importância de se construir uma sociedade séria, justa e que caminhe pela reconstrução das famílias e dos valores éticos que possam levar aos jovens a expectativa de um futuro melhor.  "Em face a uma população que cresce a cada momento, precisamos de uma juventude que viva embalada em um processo educacional verdadeiro, com valores como família, respeito aos símbolos da pátria, como a nossa bandeira e nosso hino. Necessitamos de uma reforma nos currículos escolares, que  levem os jovens a acreditar nesses valores. Criar concurso público é defender a meritocracia do servidor. Não estou menosprezando o terceirizado, mas é preciso haver seleção ou concurso, que faz com que as atividades profissionais sejam desenvolvidas por competência", disse a educadora. Questionada sobre se como deputada estaria pronta a defender a dignidade do emprego no Brasil, a professora lembrou aos entrevistadores que durante os quatro anos que esteve a frente da Comissão de Negociação Salarial da Prefeitura de Aracaju, sempre atuou com agilidade e eficácia, respeitando o estatuto do servidor público, buscando ouvir todos os lados e sempre alcançado bons resultados para os servidores. "Mesmo estando ali como representante da instituição, eu sempre busquei ouvir a todos e para encontrar as melhores soluções para os servidores", recordou Marlene.

Sobre sua visão do trabalhador brasileiro e sua postura como deputada Federal, caso seja eleita, Marlene Calumby deixou claro que as políticas e projetos devem visar o homem comum. "Às vezes, julgo que determinadas elites brasileiras dos órgãos Executivo, Judiciário e Legislativo esquecem da grande população, inclusive que os elegeu e se voltam apenas para os seu benefícios. Na semana que passou, o STF requereu aumento de salário. A população sofre pelo desemprego e se vê socorrida por benefícios de assistência social. Um fato: com meu salário não posso me vestir. É preciso benefício para conseguir se trajar. Independente de bandeira para presidente ou para governador, é preciso liberdade na hora de agir", disse a candidata a deputada Federal.

 *Educação*

Falando em educação, a professora Marlene Calumby, disse que essa sempre foi sua grande paixão e sempre seria se novamente voltasse ao início da vida. " Defendo a escola pública de qualidade, educação em tempo integral. Não vejo com bons olhos essa segregação através de cotas. A escola pública caiu muito e precisa se voltar ao esporte. Fui por muitos anos membro da Comissão de Justiça dos Jogos da Primavera. Os jogos representam o congraçamento. Você valoriza o aluno, o tira da ociosidade, principalmente hoje  que os jovens passam a maior parte do tempo no celular. Todas as modalidades esportivas são importantes para o raciocínio, como por exemplo, o xadrez que exercita a matemática. Também na educação, vejo a importância das bibliotecas e mais que tudo, precisamos retomar uma educação que ofereça ao aluno responsabilidade", ressaltou a professora.

 *Saúde* - Na área da saúde ela destacou a importância de se observar que desde o início da Pandemia as pessoas desenvolveram depressão e síndrome do Pânico. "Há um medo que domina as pessoas. E necessário haver um atendimento psiquiátrico e psicológico, para que jovens e adultos sejam tratados. Fui diretora do Atheneu Sergipense e sempre tive na equipe, um psicólogo", esclareceu Marlene. Ela disse ainda, que na área da saúde pretende incentivar projetos de assistência a crianças especiais. "Tenho um neto que possui muitas comorbidades, e sei das dificuldades, por isso quero ajudar a conseguir tratamento hospitalar, inclusive para as crianças", assegurou a candidata.

 *Segurança*

Sobre segurança pública, uma de suas bandeiras, Marlene disse da importância do tema e se colocou como cidadã, que hoje vive refém da violência. "Me preocupo como cidadã. Não temos tranquilidade de sair de casa, porque nas ruas há uma violência descontrolada. Me preocupo muito a nível de Polícia Civil e Militar, nas quais, inclusive, tenho ex-alunos e bons amigos, que honram suas corporações. A Guarda Municipal é de extrema importância. Tenho também muito respeito pelos bombeiros. Inclusive, quando João Alves Filho foi prefeito de Aracaju e depois governador elevou o quadro de bombeiros municipais ao quadro estadual. Hoje temos ainda, equipamentos que foram da época dele. A segurança é um tema que sempre estarei pronta a defender", afirmou a professora Marlene Calumby.

 *Exemplo -* Quando questionada sobre como se aproxima dos eleitores e  como pretende convencê-los a votar, a candidata respondeu que sua história de vida pessoal e profissional são o seu cartão de visita. Sua apresentação mais importante. "Tive um pai e uma mãe dos quais muito me orgulho. Meu pai construiu toda uma história com muita luta, muito trabalho, sendo um homem extraordinário. Tive um irmão que foi um dos maiores líderes do executivo e político do Estado de Sergipe. Tive um marido que cultuo até hoje, Dr Calumby. Ele foi um homem extraordinário, como pessoa e como profissional. Se as pessoas acharem que minha vida pessoal e profissional são exemplos, contarei com seus votos", afirmou a candidata.

 *Transparência*

Marlene disse ainda, priorizando a transparência em sua entrevista, que os deputados federais e os senadores, desenvolvem seus projetos em função de um público maior. Já os deputados estaduais e vereadores, estão mais próximos das comunidades e devem ter o propósito de se voltar a sua comunidade.  Ela esclareceu que em seu parecer,  orçamentos secretos não podem existir. A professora assegurou que emendas secretas se tornam públicas e as verbas devem sempre ser sempre destinadas as áreas mais carentes.

Por Suzy Gumarães

 

logo
Rua Dom Bosco, 96 - Cirurgia 
Aracaju-SE - CEP: 49.055-340
Whatsapp:  79 99932-1656
Email: contato@gazetahoje.com