Paralisação da PC por 48h afetará delegacias

policia civil1Policiais civis, delegados, escrivães e auxiliares paralisam suas atividades por 48 horas, a partir de hoje, 15 e desde às 8h, uma parte deles está concentrada em frente ao Palácio de Despachos e a outra parte estão fazendo movimento pontuais em outros locais, como as delegacias do centro comercial de Aracaju para pressionar o Governo a reabrir as negociações no que diz respeito o reajuste salarial linear para 2015, entre outras reivindicações.

Por conta dessa paralisação, as delegacias de Aracaju e do interior não funcionaram, tendo os serviços transferidos para a Delegacia Plantonista, como exemplo as ocorrências. As categorias garantem que o efetivo mínimo de 30 por cento está sendo respeitado.

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe –Sinpol, também não abre mão da implementação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV), um número maior de agentes de polícia e escrivães de forma a suprir a demanda que existe e melhores condições e gerenciamento nas delegacias.

Segundo o assessor de comunicação da Sinpol, Jorge Henrique, diz que o governo do estado descumpriu a promessa de que resolveria as situações pontuais da Polícia Civil e acrescenta que toda categoria está à espera da implantação do PCCV que completou um ano desde sua criação.

Em sua fala, o assessor esclarece que a Polícia Civil foi criada para diligência com respeito às investigações, inquéritos e não para custódia de presos, ainda mais com o baixo efetivo de funcionários que se encontra e em contrapartida, uma superlotação carcerária em delegacias. Outro ponto negativo citado pelo assessor é que na 2ª Delegacia, existem 70 presos em situação de animais abandonados em jaulas. “Lá existem, podridão, doenças, parasitas, fora a falta de segurança nas delegacias”, reclama. Ele denuncia também que no interior têm equipes que precisam tomar conta de três municípios.

A luta da Adepol, Associação dos Delegados de Sergipe, segundo sua vice-presidente, delegada  Ana Carolina, é pela correção dos salários deste ano e também pelo cumprimento ao acordo da Lei 7.870/2014 na íntegra. Ela, como outros sindicatos, querem que o governo pare de usar a lei de responsabilidade fiscal como desculpa para não honrar compromissos com os servidores.

Por sua vez, A assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE) afirmou que ainda não foi notificada sobre a paralisação, mas já montou esquema para funcionamento das delegacias durante as 48 horas. O setor garantiu que o um terço das delegacias funcionarão registrando os flagrantes e autos de resistência. São elas: Delegacia Plantonista, 3ª DM, 4ª DM, Itabaiana, Lagarto, Estância Propriá e Nossa Senhora da Glória.

Renato informou que medidas têm sido tomadas para diminuir o déficit no quadro de agentes policiais e escrivães. Disse ainda que em julho haverá um curso de formação para 500 profissionais e de imediatos serão convocados 100 agentes policiais e 20 escrivães, que segundo ele ainda não é o ideal, mas já contribuirá para os serviços da Polícia Civil.

 

 

 

Por Terezinha de Jesus com informações do Portal Infonet

 

 

 

 

logo
Rua Dom Bosco, 96 - Cirurgia 
Aracaju-SE - CEP: 49.055-340
Telefones: 79 3214-5421 / 3044-0783
Email: contato@gazetahoje.com