Cláudio Botafogo Messias-On Line- quinta-feira- 19 de setembro de 2019/Por Rubens Barroso

Mito ou fenômeno?

No âmbito da historia e da filosofia o mito é uma narrativa utilizada pelo povo grego, com origem na antiguidade que consiste em explicar fatos reais, características humanas e as pessoas que realmente existiram e estão na historia.

Um dos objetivos do mito é transmitir conhecimento e explicar também alguns fatos que a ciência não consegue explicar. Um mito tem a função de manifestar algo de uma forma forte e inteligente expressando de maneira correta o desconhecido e assim, tornando o mundo com uma visão mais contemplativa e agradável aos olhos do homem.

No estudo sobre as mitologias, é fundamental uma definição do termo mito, pois é a partir de sua análise que os especialistas chegam a conclusões sobre a mitologia de determinado povo. Mitos são formas encontrada pelos povos antigos para explicar sua própria realidade, a origem de suas tradições, dos homens, os eventos da natureza, etc.

Os mitos são classificados de duas formas: mitos cosmogônicos e mitos de origem. Os primeiros estão relacionados a eventos que explicam o surgimento do Universo, enquanto os mitos de origem explicam o surgimento de um local ou de uma tradição. Os mito mais conhecidos são: Olimpio, os titãs e Hercules, entre outra figuras mitológicas estão o centauro e o minotauro. entre varias funções do mito destaca-se a criação de justificativas para eventos do mundo atual, usando os do passado, possa determinar as permissões e projeções da sociedade, utilizando meios que possam compensar a humanidade por suas perdas.

E o fenômeno? A palavra diz respeito a qualquer manifestação que está presente na consciência de um sujeito e que é objeto da sua percepção.Fenômeno também é uma coisa extraordinária e surpreendente, um animal colossal e uma pessoa notável dentro do seu gênero .Nesse sentido, o conceito também é um adjetivos coloquial que significa ótimo, magnífico ou sensacional.Alguns anos atrás um jogador brasileiro brilhava nos campos no velho continente europeu desfilando um repertório de dribles, e gols, talento que  encantava  o mundo, sofreu uma contusão muito séria, muitos já abreviada sua carreira afirmando que não jogaria mais futebol, mas ele como fênix ressurgiu e sagrou-se campeão mundial. Ronaldo Nazário, seu nome de batismo acrescentou o adjetivo fenômeno.

Um dia, o povo brasileiro estava, carente de uma liderança e depositou e apostou todas esperanças no primeiro com poder argumentativo e a promessa que  tornaria este lugar numa maravilha, combateria os males que destroem a sociedade: a violência e a corrupção. Na nossa realidade não temos mitos, já o fenômeno podemos considerar quando o homem se animaliza ou seja passa realizar atos irracionais não humanos.

Dentro de um conceito de positividade a realidade do Brasil não tem nada de mito nem muito mesmo de fenômenos, os fatos estão espalhados nas manchetes de jornais, pelo mundo, ridicularizados, massacrados, são direitos do trabalhador jogados no lixo, já os empresário com todos os poderes para escravizam a quem trabalha honestamente, a reserva naturais destruídas pelo fogo, crianças, sem escolas, mulher sendo alvo da violência,os idosos perdendo a sua dignidade e respeito o desemprego aumentando a cada dia, se não ficarmos alerta o país vai se transformar numa  Venezuela. O Brasil esta a beira do abismo basta apenas dar um passo a frente.

FALTA DE RESPEITO AO POVO

Tem um didato popular que diz " não falte ao trabalho para que o patrão perceba que vcoe não faz falta"perfeito, mas o que dizer dos parlamentares que faltam as suas sessões? veradores que  que recebem por mes a bacadela de quase 20 mil reais e mes, mesmo assim cometem o absurdo de falta um terço das sessões da camara de vereadores.Mas o pior de tudo isso é quem deveria dar exemplo também faz o mesmo O presidente da Câmara, Josenito Vitale (PSC), o Nitinho, ocupa a quinta posição com 19 faltas.Este pais paoucas pessoas levam a coisa a sério.

REVOLTA NO HOSPITAL

Os parentes de paciente internados no hospital São José, localizado na avenida João Ribeiro -846, bairro Santo Antonio, estão revoltados com o descaso da direção do hospital no que se refere a saúde dos enfermos, segundo um dos parentes de uma paciente idosa que foi internada com um estado de pressão alto e também com o quadro de glicose no sangue elevado também, teve o seu  estado de saúde alterado, isso porque a paciente é alérgica e o quarto que ele se encontra internada fica próximo a ala de deficientes mentais.

Além do desconforto, os quartos não possuem ar condicionado e os ventiladores estão em péssimo estado de conservação agravando assim o quadro dos pacientes  que são alérgicos, já os deficiente mentais, durante as madrugas eles gritam e fumam, sendo que a fumaça pra que está com um quadro de alergia alterado se agrava mais ainda.

O resultado é que a paciente idosa piorou o seu estado de saúde e foi preciso usar o balão de oxigênio para amenizar a situação, além de ficar inchada a paciente passou a ter delírios durante a noite, segundo informações dos parentes que o acompanha.

MUDA SENADO REAGE AS NOVAS REGRAS

O grupo Muda, Senado, formado por 21 senadores, divulgou nota, redigida em conjunto, e lida pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), reagindo à aprovação das novas regras eleitorais e partidárias pelo plenário da Câmara, na noite de ontem, um dia depois de o Senado rejeitar a quase totalidade do projeto. Segundo o grupo, o Senado “ouviu a sociedade” ao rejeitar o texto original da Câmara, aprovando um substitutivo e regrando apenas a questão do fundo eleitoral. “Já a Câmara, sob a condução do seu presidente Rodrigo Maia, rasgou o regimento interno, desrespeitou o devido processo legislativo, e deixou de fazer aquilo que é imposto pela norma”, diz a nota.

As únicas possibilidades, segundo o Muda, Senado, seriam a rejeição do substitutivo e restauração do projeto original ou a aprovação do substitutivo. O que foi feito, diz a nota, “é uma absurda ofensa ao Senado, à democracia e à sociedade, que acompanha atônita a destruição da já combalida credibilidade da política como meio adequado para resolução de conflitos”. O grupo considera a possibilidade de tomar medidas judiciais sobre o assunto, de forma a “restabelecer o devido processo legislativo e assegurar que a democracia brasileira está acima de interesses pessoais e partidários”.

O texto também critica a decisão do Senado de não reconduzir, na noite de ontem, ao Conselho Nacional do Ministério Público, dois conselheiros, Lauro Machado Nogueira e Dermeval Farias. Os mesmos membros foram aprovados por unanimidade na Comissão de Constituição e Justiça, sem qualquer tipo de questionamento. Isso aponta, diz a nota, “para uma repetição do passado triste onde o Senado funcionava como instrumento de vingança de investigados”.claudio1

logo
Rua Dom Bosco, 96 - Cirurgia 
Aracaju-SE - CEP: 49.055-340
Telefones: 79 3214-5421 / 3044-0783
Email: contato@gazetahoje.com