Mais de 100 ossadas aguardam identificação no Instituto Médico Legal

Só para abrigar a quantidade de ossadas humanas sem identificação, o Instituto Médico Legal (IML) precisou criar um laboratório específico de antropologia forense. No local já são mais de 100 ossadas empacotadas e numeradas, no aguardo de uma possível identificação. O número representa os casos que foram se acumulando nos últimos anos. “Quando chega uma ossada, nós a limpamos e acondicionamos numa caixa”, explica José Aparecido Cardoso, diretor do IML.

Entre a centena de ossadas, está a encontrada no dia 26 de dezembro de 2018, às margens da BR-235, no município de Areia Branca. Uma família chegou a ir até o local suspeitando que a ossada pertencesse a um familiar desaparecido, mas um exame da arcada dentária – comparado com a foto da suposta vítima – descartou essa hipótese. É dessa forma que o Instituto Médico Legal vem procedendo para identificar as ossadas.

“É muito importante que as pessoas que têm familiares desaparecidos tragam uma foto ao IML, de preferência com a pessoa desaparecida sorrindo, e através de análise técnica com a arcada dentária é possível chegar a uma identificação”, detalha Aparecido. Em 2018, de acordo com o IML, foram 26 ossadas identificadas pelas três formas de identificação – exames faciais, da arcada dentária e de genética.

Por Ícaro Novaesossada 18 01

logo
Rua Dom Bosco, 96 - Cirurgia 
Aracaju-SE - CEP: 49.055-340
Telefones: 79 3214-5421 / 3044-0783
Email: contato@gazetahoje.com