Cláudio Botafogo Messias-OnLine-9-01-2019-quarta-feira

LULA E BOLSONARO: QUASE NÃO VAI TER DIFERENÇA?

A diferença entre a turma do Bolsonaro e a de Luís Inácio Lula da Silva (Lula) é que a primeira é mais violenta e qualquer coisa que não gostar, vai querer resolver na bala, embalada pelo discurso de ódio do então candidato à presidência da República, Jair Messias Bolsonaro. Este comentário eu ouvi de um cidadão comum no Calçadão da Rua João Pessoa.

Antipetista, mas não bolsonarista, ele lamenta que a coisa esteja ficando cada vez pior no país e como sempre o pobre vai levar na cabeça, mas é bom que seja assim, para deixar de ser besta e se iludir por qualquer canto de salvadores da pátria, falsos messias, mensageiros reais do apocalipse.

Numa breve comparação vamos verificar que pouca coisa mudou. O ex-assessor de Flávio Bolsonaro (filho do presidente, deputado estadual e senador eleito, já teve alta do hospital, mas não compareceu para depor sobre o estranho enriquecimento e a coincidência de que a sua conta era abastecida justamente nos dias dos pagamentos de salários dos comissionados lotados no gabinete de Flávio. Vários cheques de Fabrício são depositados nominalmente para a primeira-dama Michele Bolsonaro. O presidente diz que foi um empréstimo que fez para o motorista do filho no valor de R$ 40 mil. Se foi ele quem emprestou, porque os cheques não foram para Jair Messias Bolsonaro?

Os familiares de Fabrício José Carlos Queiroz, ex-motorista e ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, de repente, tomaram gosto por São Paulo e saíram do Rio de Janeiro, onde deveriam depor no Ministério Público Estadual, sobre as estranhas movimentações financeiras na conta do sortudo, que ultrapassaram mais de um milhão e 200 mil reais em apenas um ano. Muita coisa para o pequeno salário do motorista.

Aliás, tem familiar de Fabrício que era do gabinete do ex-deputado federal Jair Messias Bolsonaro.

O filho do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão ganhou um presentão, sem precisar jogar na megasena da virada. Ele foi nomeado para um cargo no Banco do Brasil com o salário triplicado e o general garante que foi por competência. Mas se é tão competente, porque não ganhou este presente antes do pai assumir o cargo?

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), afirmou na tarde desta terça-feira (8) que o filho, Antonio Rossell Mourão, foi nomeado para o cargo de assessor especial da Presidência do Banco do Brasil porque é funcionário da instituição há 19 anos e é "qualificado". Ainda segundo o general da reserva do Exército, o filho foi escolhido pelo novo presidente do banco, Rubem Novaes, que tomou posse na segunda-feira (7)

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), usou 80 notas fiscais de uma empresa de consultoria pertencente a um amigo de longa data para receber R$ 317 mil em verbas de gabinete da Câmara dos Deputados entre os anos de 2009 e 2018. As informações foram reveladas pelo jornal "Zero Hora" na manhã desta terça-feira, 8. Entre as 80 notas, 29 foram emitidas em sequência, o que indica que Lorenzoni teria sido o único cliente da firma.

A empresa chamada Office RS Consultoria Sociedade Simples pertence a Cesar Augusto Ferrão Marques, técnico em contabilidade filiado ao DEM, o partido de Lorenzoni. Marques também trabalhou em campanhas políticas do parlamentar.

A empresa chamada Office RS Consultoria Sociedade Simples pertence a Cesar Augusto Ferrão Marques, técnico em contabilidade filiado ao DEM, o partido de Lorenzoni. Marques também trabalhou em campanhas políticas do parlamentar. O jornal gaúcho informa, ainda, que Marques não tem registro no Conselho Regional de Contabilidade.

Ele é o responsável pela contabilidade do DEM no Rio Grande do Sul - e também trabalhou em campanhas políticas do parlamentar. A empresa está inapta na Receita Federal por omissão de valores ao fisco e tem R$ 117 mil em dívidas tributárias. Entre janeiro de 2013 e agosto de 2018, não recolheu impostos, apesar de ter emitido 41 notas a Onyx Lorenzoni....

Ao "Zero Hora", Marques confirmou que trabalha com Lorenzoni há quase 30 anos como consultor tributário. Segundo ele, o ministro não é o seu único cliente. Marques, que tem outra companhia, disse que emite parte das notas fiscais por uma empresa ou por outra devido a questões tributárias.

Defesa Em nota, o ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro negou irregularidades na contratação da empresa de consultoria.

"Trata-se de consultoria tributária - não apenas para projetos meus e sim aconselhamento para todos os projetos em destaque nesta questão. Além do contato telefônico sempre que necessário, são realizadas reuniões semanais em Porto Alegre", diz o texto divulgado no Twitter do ministro.

Na nota, Lorenzoni alega, ainda, que a empresa faz acompanhamento da execução do orçamento geral da União para fins de emendas parlamentares indicadas por ele para centenas de municípios e entidades assistenciais gaúchas. Trata-se  de Consultoria tributária – não apenas para projetos meus e sim aconselhamento para todos os projetos em destaque nesta questão. Além do contato telefônico sempre que necessário, são realizadas reuniões semanais em Porto Alegre.  A empresa faz o acompanhamento da execução do orçamento geral da união para fins de emendas parlamentares indicadas por mim para centenas de municípios e entidades assistenciais gaúchas.

Com relação aos recursos da campanha eleitoral, cabe esclarecer que a empresa prestou serviços para o partido e todos os candidatos. Desde a pré-campanha, incluindo treinamento jurídico e contábil. Todas as contas foram aprovadas sem apontamentos. Há um rígido acompanhamento sobre todas as questões. Vou à justiça buscar a reparação.

A ministra que desceu de um pé de goiaba nas mãos de Jesus Cristo, que diz que menino tem que usar azul e menina rosa, porque o Brasil entrou numa nova era, com Bolsonaro, quase mata enforcado um vendedor de uma loja de roupas, talvez, porque seja negro e supostamente gay. É este o Brasil que temos. Acima de tudo, ditatorial e para todos que não sejam do time do messias.

CAPATAZ

Em alegações finais no processo envolvendo o sítio Santa Bárbara, em Atibaia, Rogério Aurélio Pimentel, ex-segurança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, voltou a citar o recebimento de envelopes de dinheiro da Odebrecht e disse que foi "capataz" das obras feitas por empreiteiras no imóvel.

ORDENS

O assessor afirmou que apenas cumpriu ordens da ex-primeira-dama Marisa Letícia e que não agiu fora das atribuições de seu cargo. Pimentel pediu à juíza federal Gabriela Hardt absolvição. As alegações finais são o último capítulo da ação penal, em que os réus entregam suas últimas peças de defesa, antes de serem sentenciados.

PROPINA

O ex-presidente é acusado de receber supostas propinas de R$ 1 milhão correspondentes às reformas no imóvel, que está em nome de Fernando Bittar, filho de Jacob Bittar, ex-prefeito de Campinas e amigo do petista.

PERSEGUIÇÃO

Lula nega e afirma ter sido perseguido tanto por Sérgio Moro, quando exercia a magistratura, quanto por Gabriela Hardt. Segundo a força-tarefa da Operação Lava Jato, Pimentel teria ajudado a ocultar as supostas vantagens indevidas da OAS, Odebrecht e Schahin, quando tocou as reformas no sítio.

OCULTAÇÃO

Em alegações finais, Rogério Aurélio Pimentel afirma que "não participou da ocultação de patrimônio ou valor algum, apenas foi-lhe determinado funcionar como 'capataz' na reforma do famigerado sítio, ou seja, ver o andamento da obra e informar à primeira-dama".  Que era Marisa Letícia.

ODEBRECHT

Pimentel também confirmou a movimentação de dinheiro em espécie da Odebrecht em meio às necessidades das obras no sítio. "Se o Réu não sabia sequer as quantias que continham nos envelopes, tampouco possa se esperar que soubesse de eventual origem ilícita dos valores".

INOCENTE

"Enquanto o Ministério Público acredita que o Réu [Rogério Aurélio Pimentel] tenha sido partícipe de um grande plano de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio, sendo o responsável pela obra, na verdade este era apenas, e tão somente, o mensageiro das demandas", sustentam os advogados de Rogério.claudio2

logo
Rua Dom Bosco, 96 - Cirurgia 
Aracaju-SE - CEP: 49.055-340
Telefones: 79 3214-5421 / 3044-0783
Email: contato@gazetahoje.com